Deixar uma marca

Aqui há uns anos, costumava estar um velhote num pequeno pedaço de mato, entre o Eixo Norte-Sul e a saída para Telheiras, quem vai de Lisboa em direcção de Odivelas.

O velhote, sempre ocupado, construiu ali um pequeno banco, com umas sobras de tijolos e cimento, e plantou uma figueira.

Lembro-me de o ver lá sentado, a ver passar o trânsito, quando a figueira era pouco mais de um pau com meia dúzia de folhas.

O velhote, entretanto, deixou de aparecer. É possível que já tenha morrido. A figueira, essa, pegou e tem agora um tamanho razoável. E este ano está carregadinha de figos.

Mais do que “deixar a sua marca”, como alguns almejam fazer, o velhote deixou deixou ali qualquer coisa para os outros.

Fazer algo para os outros. Ora aí está uma ideia interessante.

P1000768t

Comentários

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s