Cenas da loja do chinês

Entrei na loja do chinês para comprar qualquer coisa e dei de caras com um baralho de cartas onde aparece uma carantonha que me fez de imediato lembrar o Mário Soares, a quem o povo alcunhou O Bochechas.

baralho-do-chinês (2)Curiosamente, este baralho custava sessenta cêntimos. O que é que isto tem de curioso, perguntam vocês?

É que nas famosas Malas de Macau, vinham precisamente sessenta contos! Evidentemente que isto é apenas uma coincidência.

No entanto, sendo que Macau é agora território Chinês, o facto de uma figura semelhante ao Mário Soares aparecer num baralho de cartas da loja do chinês… alguém acha mesmo que é uma coincidência???…

Malas-de-Macau Um dia, talvez se venha a saber toda a verdade sobre as tramas do PS e do clã Soares.

Até lá, podemos sempre ler o livro “Contos Proibidos: Memórias de um PS desconhecido”, de Rui Mateus (1996).

Lembro que Rui Mateus foi, durante vários anos, o responsável pelas relações internacionais do PS.

memorias-de-um-ps-desconhecidoEste livro desapareceu misteriosamente da livrarias quando foi lançado mas, curiosamente, nunca foi reeditado…

Dá que pensar não dá?…

 

Anúncios

E agora…

Diz o Sousa Tavares que a malta que anda a dizer mal do Soares é uma cambada de energúmenos e que devia era ler. É capaz de ter alguma razão mas o problema é que, mesmo lendo, como é que podemos saber o que é verdade e o que não é? A imprensa, vale o que vale, e a História, cada um escreve-a à sua maneira.

A estória da cuspidela na bandeira, o “atirem-nos aos tubarões”, os diamantes da Jamba, o fax de Macau, os dinheiros para a Fundação… cum camandro, afinal era tudo mentira?

Voltando às leituras. Segundo li, eram necessários catorze elementos da PSP em permanência para garantir a segurança de Soares. E agora que Soares morreu, o que é que esta rapaziada vai fazer???…

A propósito dos diamantes. Como uma imagem vale mais que mil palavras, deixo-vos esta do Joãozinho a dançar uma tarrachinha no tempo das vacas gordas na Jamba…tarrachinha.jpg

Foto fornecida por um elemento da “secreta” de Angola.